Cerveja Artesanal - Tipos, diferenças e uma nova tendência em Portugal | Blog Bcooker's
BCooker'sum Blog saído da Caixa
4 agosto 2017

Cerveja artesanal: a 'next big thing' já está a acontecer

No copo

Cerveja artesanal: a 'next big thing' já está a acontecer

Desde há 10 anos, a primeira sexta-feira do mês de agosto é celebrada mundialmente como o "Dia Internacional da Cerveja" com 3 propósitos declarados: 1) saborear cerveja com amigos; 2) homenagear os que fabricam e servem cerveja; 3) comemorar e conhecer cervejas de todas as nações e culturas. Vamos ajudar a este propósito dando a conhecer melhor um dos mais recentes fenómenos desta indústria: as cervejas artesanais.

Primeiro em casa, depois em pequenas fábricas: foi assim que começaram a surgir as cervejas artesanais, um produto que, por não ser massificado, impõe-se pela qualidade superior no sabor, no corpo, nos aromas e na diversidade.

O panorama da cerveja artesanal em Portugal está vivo, de boa saúde e com uma clara tendência de crescimento. Na última década um segmento muito caraterístico de consumidores aumentou a procura pela cerveja artesanal e, consequentemente, o número de produtores cresceu e explodiu o número de bares exclusivamente dedicados à cerveja. Atualmente, já são cerca de 100 marcas portuguesas a ostentar a orgulhosa distinção de "artesanal".

 

A cerveja não é apenas loura, preta ou ruiva

Não é por acaso que é cada vez mais comum encontrar nos restaurantes, uma carta com diversos tipos de cerveja. Alguns já começam a oferecer, inclusivamente, menus com pairing de cervejas. Esta deixou de ser apenas "branca", "preta" ou "ruiva" e passou a ser mais complexa, competindo com os vinhos: também é necessário sentir o aroma, provar, degustar e beber no copo ideal.

Podem classificar-se quanto ao teor alcoólico e ao extrato primitivo ("cerveja sem álcool", "cerveja com baixo teor alcoólico", "cerveja corrente", " cerveja especial" e "cerveja extra") ou pelo tipo de fermentação onde se classificam em três grandes grupos:

  • As Ale - Cervejas de alta fermentação: É a mais complexa em sabores e aromas, habitualmente com notas frutadas ou a especiarias, e a mais encorpada. Basicamente o que distingue esta cerveja é a levedura utilizada e, consequentemente, o processo de fermentação que acontece num ambiente de temperatura relativamente alta, entre 15º a 24º C ou mesmo mais.
  • As Lager - Cervejas de baixa fermentação: São as cervejas mais consumidas no mundo inteiro. Produzem um sabor mais limpo, com maior expressão das caraterísticas transmitidas pelos cereais e pelo lúpulo. A palavra deriva do alemão lagern que significa algo como armazenar e as suas origens remontam à Baviera, local onde os mestres cervejeiros tinham por hábito guardar os seus produtos em caves muito frias, onde se processava a maturação.
  • As de estilo híbrido: Para além destes dois grandes grupos, existem ainda algumas cervejas que podem ter a sua família de origem nas Ale ou nas Lager mas possuem uma caraterística demasiado específica que permite agrupá-las neste estilo muito particular: o híbrido. São geralmente cervejas muito complexas, produzidas segundo métodos muito antigos e que estagiam algum tempo em cascos de carvalho.

 

O que é que faz uma cerveja ser artesanal

Algumas diferenças distinguem as cervejas produzidas artesanalmente das fabricadas:

  • O local de produção: são produzidas em pequenas fábricas, independentes e tradicionais.
  • As matérias-primas: numa cerveja de fabrico, o arroz e o milho são os amidos mais utilizados pois permitem um produto final mais barato. Na cerveja artesanal, os cereais são maltados e a cevada é a escolha principal, podendo também ser utilizados o trigo e a aveia.
  • O lúpulo: é acrescentado após a fermentação e caraterístico das cervejas artesanais pois cria sabores mais frutados e influencia o paladar em termos de amargura. É o mestre que tem que equilibrar o tom final.
  • A fermentação: na produção artesanal são respeitados os tempos de fermentação corretos e não são utilizados químicos para acelerar o processo.
  • A filtração e a pasteurização: ao contrário das cervejas industriais, as cervejas artesanais não são filtradas (daí mostrarem-se, normalmente, mais turvas) nem pasteurizadas. As leveduras continuam a trabalhar mesmo depois do líquido ser engarrafado.
  • O objetivo comercial: o processo industrial procura criar a melhor cerveja possível tendo em atenção a estrutura de custos. O processo artesanal procurar criar a melhor cerveja possível.

Para além de ser uma atividade económica interessante, capaz de reavivar terras e tradições, as cervejas artesanais estão destinadas a fazer parte do estilo de vida saudável e panorama gastronómico atual pois são uma bebida com sabor mais complexo do que as cervejas produzidas em massa e têm grande potencial para harmonizações gastronómicas: acompanhar uma refeição com uma cerveja artesanal é ter uma experiência de palato e aroma que não é possível encontrar na cerveja industrial. E hoje é o dia perfeito para provar algumas das várias cervejas artesanais de qualidade que, felizmente, cada vez mais são produzidas no nosso país!

BCook © 2018 | By Bluesoft